Publicado em Deixe um comentário

A Igreja Primitiva e a Igreja Moderna

A IGREJA PRIMITIVA X A “IGREJA” MODERNA

Antes que possamos fazer uma comparação entre a “Igreja Primitiva” e a “Igreja Moderna”, é fundamental que antes tenhamos uma compreensão do significado da própria palavra “Igreja”, a fim de aplicá-la de forma correta. Passaremos, portanto, primeiramente à questão do termo propriamente dito…

QUAL O SIGNIFICADO DO TERMO “IGREJA”?

clip_image002[4]

A despeito do fato de que a maioria da sociedade trata por “igreja” o templo onde os cristãos se reúnem, e ainda que no Salmo 122:1, o salmista chame o templo em Jerusalém de “Casa do SENHOR”, não é essa a correta aplicação do termo.

A palavra Igreja tem origem no grego [ekklesia]. Etimologicamente a palavra grega ekklesia é composta de dois radicais gregos: ek que significa (para fora) e klesia que significa (chamados).

Logo, dentro do contexto bíblico, e da própria etimologia da palavra, quando usamos o termo “igreja” para designar um templo religioso, estamos usando de forma incorreta a palavra que, nos lábios de JESUS, em Mateus 16:18, quando ele menciona “a minha igreja”. JESUS está afirmando, nessa passagem, que ELE vai “edificar a sua Igreja”, ou, à luz do significado do termo, que ELE vai “chamar para fora do mundo” um grupo de pessoas – leia-se Lucas 6:13.

Em outra passagem, (Mateus 18:15-20), a Igreja tem um aspecto “local”, a saber, trata-se de uma “reunião no lugar onde moro” e onde posso falar e ser ouvido, e também resolver pendências com outros filhos de DEUS – compare com 2 CO. 6:1-12.

Durante o curto período de 42 meses em que JESUS esteve exercendo o Seu ministério de pregar o Evangelho do Reino, ele formou 12 discípulos a quem denominou apóstolos. Enquanto fazia Sua escolha, JESUS estava, na verdade, levantando os alicerces (colunas) sobre os quais edificaria Sua Igreja.

Depois de Sua ressurreição, o SENHOR JESUS ordenou aos Seus discípulos que “não se ausentassem de Jerusalém até que fossem revestidos com o Espírito Santo”. Depois do revestimento, deveriam “sair e pregar o Evangelho em Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da TerraLC. 24:49; AT. 1:8.

Num sentido mais amplo, a Igreja é comparada a um “Corpo”, o “Corpo de CRISTO”, o “Corpo Místico, Espiritual” de CRISTO – 1 Coríntios 12:12; Efésios 1:22,23; Hebreus 3:6; 1 Timóteo 3:15; 1 Pedro 2:5; João 11:51, 52 e referências.

Quando surgiu a 1ª Igreja

Podemos dizer, quanto à quando surgiu a 1ª. Igreja, que ela começou “no dia de Pentecostes”, quando o Espírito Santo revestiu os 120 discípulos reunidos e eles pregaram a todos que estavam em Jerusalém, de forma que, logo após a 1ª. Pregação feita por Pedro, quase três mil almas foram batizadas e passaram a viver como Igreja – AT. 2:14-41.

Precisamos lembrar, entretanto, que em seu princípio, a Igreja era composta unicamente por judeus… somente em Atos 10 é que o Evangelho chega também para os “gentios[1]”. Enquanto ouviam o discurso de Pedro, as pessoas que estavam na casa de Cornélio, foram “cheias com o Espírito Santo” e posteriormente “batizadas nas águas”, sendo incluídas na Igreja – AT. 10:44-48.

Posteriormente o Evangelho foi levado até Antioquia, e ali estabeleceu-se uma Igreja não apenas composta por judeus, mas agora, também com gentios – AT. 11:19-21.

A diferença entre “Igreja” e “Religião”

clip_image004À luz da Palavra de DEUS (Bíblia Sagrada), Igreja é o “Corpo de CRISTO” (CL. 1:24); é a “Casa de DEUS” (HB. 3:6; 1 TM. 3:15; 1 PE. 2:5); a “lavoura de DEUS” e o “edifício de DEUS” (1 Coríntios 3:9). No sentido mais amplo da Palavra, o termo Igreja se aplica a todos aqueles que “nasceram de novo”, tendo sido gerados pela Palavra de DEUS – 1 PE. 1:23, JO. 1:12 – aqueles que ouviram o Evangelho do Reino de DEUS, se arrependeram, se converteram a CRISTO e foram nELE batizados – MC. 16:15,16; AT. 2:38-41; GL. 3:27,28

A Igreja, portanto, está diretamente relacionada com CRISTO, pois ela é o Seu Corpo.

A religião, entretanto, está ligada à doutrinas, regas, líderes, costumes, etc., não necessariamente a CRISTO. Até mesmo as religiões ditas “cristãs”, que têm em seus títulos ou placas algum nome que as relacione com DEUS ou com CRISTO, são, na verdade, instituições religiosas, associações ou sociedades humanas, estabelecidas por homens e não por CRISTO. Por isso mesmo, funcionam independentemente da ação do Espírito Santo, porque não foram originadas por ELE.

JESUS não deixou nenhuma “religião”, mas deixou-nos, sim, o Seu exemplo e a Sua vida. Essa vida está expressa unicamente no Seu Corpo, na Sua Igreja.

A Igreja, por ser “um Corpo”, possui “membros”, e estes membros, por sua vez, foram “colocados por DEUS” (1 CO. 12:18) no “Corpo”, e “cada membro, no Corpo, tem sua própria função” (leia 1 Coríntios 12:12-27). Os “membros do Corpo” estão vinculados entre si, estão ligados “pela vida de CRISTO” que neles há.

A religião, entretanto, por ser uma “instituição”, possui “associados”, e estes, “se filiam” à religião impelidos por interesses próprios, onde esperam alcanças “cargos”, e obter “vantagens”, ainda que sejam vantagens “psicológicas”.

A Igreja é um “Organismo Vivo”, não tem “sede própria” ou “endereço fixo”, porque, como JESUS afirmou, “onde estiverem dois ou três reunidos em Meu Nome, ali estou Eu no meio deles”. A autoridade suprema na Igreja é CRISTO – o Cabeça, e a lei máxima, é a Palavra de DEUS, e só a ela é que a Igreja está submetida.

A religião, pelo contrário, por ser uma entidade jurídica, tem sede própria, tem diretoria, tem estatuto e normas, e obedece às leis governamentais humanas.

A Igreja é estabelecida sobre dois princípios inegociáveis: CRISTO como o fundamento – 1 CO. 3:11 – e a cidade como base (uma igreja em cada cidade).

A religião é estabelecida sobre princípios e valores humanos, sobre doutrinas de homens e, por isso mesmo, há várias religiões em cada cidade.

A Igreja é reconhecida por DEUS, pois estabelece na vida das pessoas o Reino de DEUS, o governo de CRISTO, e é a “coluna e firmeza da verdade” (1 TM. 3:15).

A religião é condenada por DEUS, pois afasta as pessoas da prática da vida do Reino de DEUS, colocando os homens sob o governo humano, conduzindo os homens pela mentira.

A Igreja combate a divisão entre os filhos de DEUS, ao contrário das religiões que criam essas divisões.

Em 1 CO. 3:1-4; GL. 5:19-21; TG. 3:13-16; e referências, é muito clara a questão de que as divisões existentes entre os filhos de DEUS, as religiões, são obras da carne, e não foram iniciadas pelo Espírito Santo.


[1] Gentio – designação dada a qualquer indivíduo que não fosse judeu. Por conta do Concerto feito entre DEUS e Israel, todo homem que não fazia parte do Concerto, era tido por “gentio”.

Publicado em Deixe um comentário

A Postura do Cristão diante da Sociedade

Quando DEUS criou a Terra, e colocou nela o primeiro casal – Adão e Eva – ELE tinha (e ainda tem) um propósito muito sublime: habitar dentro do homem. Isso fica claro quando entendemos o real significado de

E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou.
Gênesis 1:27

O homem foi criado “à imagem de DEUS” a fim de que pudesse receber, dentro de si, o próprio DEUS. DEUS deseja habitar com o homem, deseja habitar dentro do homem. Prova disto encontra-se no texto de Êxodo 25:8, quando DEUS ordena que construam um “santuário” para que ELE habite entre o povo.

Mais tarde, o próprio DEUS se faz carne, e habita entre os homens, na Pessoa de JESUS CRISTO, nascido da virgem Maria, conforme encontramos em Mateus 1:21-25. JESUS é “EMANUEL – DEUS CONOSCO”. Também no Evangelho de João, encontramos a revelação de que DEUS se fez carne – João 1:1-3, 14.

JESUS CRISTO (Yeshua Mashiach, em hebraico ou Isa al-Masiih em árabe) é o Verbo Encarnado! Enquanto estava fisicamente caminhando pela Terra, JESUS trouxe à humanidade a revelação de DEUS, e pela Sua morte, JESUS estabeleceu uma Nova Aliança  (Examine-se JR. 31:31; HB. 8:8, 13; 12:24).

JESUS estabeleceu uma Aliança com todos aqueles que O amam e guardam a Sua Palavra – JO. 14:23 ─ todos os que fizeram com ELE essa Aliança, são transformados pelo poder do Espírito Santo que lhes é dado quando, após terem ouvido o Evangelho do Reino (a Doutrina de JESUS CRISTO) eles se arrependem, creem e são batizados – MT. 28:18-20; MC. 16:15,16; AT. 2:38-41.

Resultado de imagem para o cristão no mundoTodos aqueles que fazem parte na Nova Aliança estabelecida por e “com” JESUS CRISTO, recebem, da Palavra de DEUS (Bíblia Sagrada) uma ordem clara para que se “submetam às autoridades humanas constituídas” – RM. 13:1-7 – entretanto, quando tais autoridades humanas estabelecem ordens ou leis que contrariem o que JESUS ordenou, há também uma ordem Divina para que obedeçam primeiramente a DEUS, e não aos homens.

A mesma postura, o cristão (aquele que tem, de fato, uma aliança com o CRISTO VIVO) deve ter diante da sociedade. O cristão precisa mostrar à sociedade o amor de CRISTO – JO. 13:35 – e boas obras – MT. 5:16.
O cristão, diante da sociedade, deve ser “sal e luz”. Sal, combatendo a corrupção, e luz, afugentando as trevas.

À luz da Palavra de DEUS – a Bíblia – o cristão não deve participar de festas consagradas a algum “santo”, porque a Bíblia afirma que atrás de cada ídolo ou imagem esculpida adorada pelos chamados “gentios” (considera-se “gentil” todo aquele que não é judeu), há um demônio recebendo a adoração – 1 CO. 10:20.

O cristão também não deve participar de nenhuma prática contrária àquilo que JESUS e Seus apóstolos ensinaram…
Para uma lista mais pormenorizada dessas práticas, sugiro que se leia a epístola de Gálatas 5:19-21. Observemos que, dentro de tais práticas ditas “da carne”, estão a dissenção ou divisão (seja ela de qualquer natureza), o que mostra que todas essas divisões religiosas existentes têm afastado as pessoas daquilo que JESUS de fato ordenou no Seu Evangelho.

Publicado em Deixe um comentário

O Reino e a Justiça de DEUS

Leitura: MT. 6:33


Muito se tem pregado sobre o Reino de DEUS, porém muito pouco se tem falado sobre Sua justiça, como se o Reino de DEUS estivesse dissociado de Sua justiça.
Quando, porém, examinamos a Palavra de DEUS, percebemos que o Reino e a Justiça de DEUS estão juntos, e que a Sua justiça é a manifestação do Seu Reino. Em outras palavras, o governo de DEUS sobre alguém torna-se visível quando esse alguém age expressando a justiça Divina, mesmo que essa justiça seja contrária à justiça dos homens, ou à lógica da sociedade humana.

A seguir, exporei situações que ocorrem cotidianamente, e a forma como a sociedade tenta “resolver” e o que a justiça de DEUS determina…

Analisemos, pois, à luz da Palavra de DEUS:

Os Direitos…
A sociedade não tem mais um referencial para fundamentar seus direitos e deveres, e começou a criar leis segundo o que julgam ser o correto, e por desconhecer o que diz a Palavra de DEUS, agem contrariamente a ela. Se não, vejamos…

O E.C.A. à Luz da Palavra de DEUS

       O “Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)” prioriza o “menor” (pessoas abaixo de 18 anos) ao ponto de ir contra o que DEUS ordena em relação à criação e educação dos filhos.
       É interessante perceber que o artigo 3º da Lei 8.069 de 13/09/1990 (ECA) estabelece que um dos objetivos desta lei é assegurar ao menor o seu “desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social em condições de liberdade e dignidade”.
       Será que acreditam mesmo ser possível um desenvolvimento moral e espiritual sem obedecer aos princípios da Palavra de DEUS? Todos os princípios morais que conduzem ao respeito e à submissão às autoridades e o respeito mútuo têm origem na Bíbllia Sagrada.
       Pois bem, daí nos artigos 13, 18-A e 18-B a referida lei proíbe aos pais “qualquer tipo de castigo físico”. Desde quando qualquer órgão ou governo humano podem invalidar o que DEUS ordena em Sua Palavra?

       O pai é o representante do próprio DEUS no lar, sendo ali o rei e sacerdote responsável por expressar o amor e a justiça de DEUS. Ora, o Salmo 89:32 fala que DEUS recompensa a desobediência com vara, e a insistência no pecado com açoites.
       Por isso, devemos conhecer o que a Palavra de DEUS nos fala sobre a questão do castigo físico no que diz respeito aos filhos… Textos como PV. 13:24; 22:15; 23:13,14; 26:3; 29:15 nos mostram, de modo inequívoco, junto com DT. 6:4-9, que somos (os pais, não o governo [Estado] ou a sociedade) os responsáveis pela educação de nossos filhos.
       Educar um filho vai exigir, algumas vezes – quando ele escolher desobedecer – que apliquemos o castígo físico, o açoite com uma vara. A vara a ser usada para açoitar o filho deve ser fina e flexível, porém resistente. Deve causar dor, e o objetivo é corrigir a conduta da criança, não apenas castigá-la.

       O abandono do princípio da justiça Di ina de recompensar o bem e punir o mal tem demonstrado ser nocivo à família e também à sociedade.
       Os pais têm sido impedidos de castigar seus filhos como DEUS ordena que o façam, e como resultado, os filhos não aprendem a sujeição e a obediência à autoridade, tornando-se rebeldes e indisciplinados.
       E as consequências estão aí, à nossa volta… Violência de filhos contra os pais, de alunos contra professores, de cidadãos contra as autoridades e contra seus governantes.
       Corruptos e ladrões assumem postos públicos porque não foram educados dentro dos padrões da Palavra de DEUS.

       Resumindo: Satanás subverteu a imagem da autoridade; esta, que deveria refletir a autoridade Divina. Além disso, Satanás instiga o povo à rebelião. Ele repete, aqui na Terra, o que um dia fez lá no céu, quando levou após si uma terça parte dos anjos de DEUS (AP. 12:9). Hoje Satanás está enganando “todo o mundo”, afastando as pessoas da obediência à Verdade. O resultado é a corrupção e a injustiça!

       Portanto, busquemos a justiça de DEUS, começando por nós mesmos… E somente na obediência à Palavra de DEUS (Bíblia Sagrada), é que vamos encontrar Sua justiça – 2 TM. 3:16,17.