Publicado em Deixe um comentário

Deixar a mentira

Leitura: EF. 4:25a

decisoesQuando DEUS nos fala em Sua Palavra que nós devemos deixar a mentira, não se trata apenas de uma ordem no sentido de “não falar a mentira”; antes, é uma ordem que envolve direção e posição. Tem a ver com movimento, é sair da mentira.

É uma ordem muito semelhante àquela dada no passado para Abraão, em Gênesis 12:1 à “Sai-te da tua terra… para a terra que EU te mostrarei”.

Sempre que DEUS ordena ao homem que este deixe um lugar, ELE indica-lhe também um “destino”. DEUS chamou Abraão para “sair”, garantindo-lhe “um lugar para onde ir”.

Quando olhamos para Adão, no Éden, podemos ver que Adão encontrava-se posicionado não apenas geograficamente no Éden, mas espiritualmente “em DEUS”.

Se partirmos do princípio de que “DEUS É A VERDADE” (DT. 32:4), Adão, então, por “morar em DEUS” (SL. 90:1) morava “na VERDADE”. Por conseguinte, Eva, esposa de Adão, desfrutava, com ele, da mesma “posição”, tendo em vista que Adão era “seu cabeça” – 1 CO. 11:3.

Adão era o “guardião” da sua família, logo, Eva estava em segurança (GN. 2:15). Entretanto, Adão “baixou a guarda”! Adão subestimou certo querubim que estava ali pelo Jardim do Éden (EZ. 28:13-15).

Bastou um descuido seu, um momento de tempo longe de sua esposa… Isso foi o bastante para que Eva fosse seduzida e enganada pelo Diabo – 2 CO. 11:3; 1 TM. 2:14; GN. 3:13.

Nesse dia, quando Eva, mesmo que enganada, deu ouvidos à mentira do Diabo (AP. 12:9; JO. 8:44) e quando convenceu Adão, levando-o a pecar com ela (GN. 3:17a), nesse mesmo dia, ainda que não tenham percebido, mudaram de posição.

Por isso DEUS pergunta à Adão: “Onde estás”? Não se trata aqui de um “onde” geográfico! DEUS sabia a localização geográfica de Adão. A pergunta, ali, era retórica… Como que dizendo: “Adão, percebe que você mudou de posição”?

A glória (luz) de DEUS que brilhava sobre eles (Adão e Eva) se apagou, e agora sua nudez aparece – SL. 104:1,2; 90:16; RM. 3:23; GN. 3:7.

A partir daquele momento Adão deixou de “estar na Verdade”, e passou a “estar na mentira”. Deixou de ser o governante do mundo, deixou de “dominar” o mundo, para “ser dominado” por satanás. Com um simples ato, Adão entregou ao Diabo não apenas poder sobre sua própria carne, como também entregou a ele o governo do mundo – GN. 3:14, 19; MT. 3:7; LC. 4:5,6; 1 JO. 5:19.

Desde aquele momento em diante, quando Satanás recebeu das mãos de Adão o governo, o mundo começa a “seguir um curso”, a partir daquele momento todas as ações do mundo serão em oposição ao Reino (Governo) de DEUS – EF. 2:2; 1 JO. 2:16; OS. 4:1.

A partir de então há “duas posições”, “duas situações”, onde é possível que estejamos:

· Ou estamos “no espírito” – RM. 8:9 – ou estamos “na carne” – RM. 8:8;

· Ou estamos “em CRISTO” – 2 CO. 5:17 – ou estamos “em Adão” – 1 CO. 15:21,22;

· Ou estamos “na verdade” – EF. 4:21; JO. 15:7 – ou estamos “na mentira” – EF. 4:25 (se há um mandamento para “deixar”, é porque existe a situação de “estar”). Se o Diabo é a “fonte da mentira” (JO. 8:44), e se “o mundo todo jaz (está) no Maligno” (1 JO. 5:19), então, por dedução lógica, “o mundo todo está na mentira”.

Resumindo, tudo que é feito “na carne”, na “força humana”, na “independência de DEUS”, é feito sob o domínio da mentira. E isto aplica-se a todo tipo de atividade, até mesmo a atividade “religiosa”.

Portanto, o convite registrado em Romanos 12:2 que diz para “não nos conformarmos com este mundo” é totalmente coerente com toda a revelação contida nas Escrituras.

Em relação aos filhos de DEUS, o SENHOR JESUS tomou providências. Conhecendo os ardis do Diabo, JESUS fez uma provisão para Seus filhos.

O SENHOR sabia que muitos apostatariam da fé genuína e verdadeira, sabia que muitos deixariam a verdade e seguiriam a mentira.

Então, para que não fôssemos enganados, o SENHOR JESUS estabeleceu “ministérios” na Sua Igreja.

Ao examinarmos Efésios 4:11-16 encontramos o cuidado amoroso de CRISTO por Sua Igreja:

v. 11 à ELE mesmo deu uns (não todos, mas apenas alguns) para:

a) Apóstolos

b) Profetas

c) Evangelistas

d) Pastores e Doutores.

(Estes são os quatro ministérios existentes na Igreja neotestamentária)

v. 12 à O que o SENHOR JESUS quer fazer através deles?

– O aperfeiçoamento dos santos (HB. 6:1,2)

Para quê?

– Para a “obra do ministério”.

Que obra (trabalho) é esse?

– Para a edificação do Corpo de CRISTO (Igreja – EF. 1:22,23)

v. 13 à Por quanto tempo, até quando?

– Até que “todos” cheguemos à unidade da fé

Que fé é esta?

EF. 4:5; JO. 7:38,39; GL. 2:20. JD. 3; 1 JO 5:4; 1 CO. 1:10). A “unidade da fé” indica os cristãos devem “crer da mesma forma”, “falar todos uma mesma coisa” – “Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer”. (I Coríntios 1:10)

– Até que cheguemos ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão “perfeito”, à medida da estatura completa de CRISTO.

v. 14 à Para que não sejamos mais meninos inconstantes (1 CO. 3:1-5; HB. 5:11-14), levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente (induzem ao erro). Portanto, os ministérios foram levantados pelo SENHOR JESUS para proteger os demais membros do Corpo de CRISTO (os cristãos) contra as falsas doutrinas, contra o engano dos falsos mestres (2 PE. 2:1-3) que, com astúcia, induzem ao erro.

v. 15 àseguindo a verdade em amor fraterno, cresçamos em tudo, … em CRISTO.

Os ministérios, então, levam os cristãos a um crescimento ordenado, uniforme, não enfatizam certas verdades em detrimento de outras, nem omitem parte das Escrituras escolhendo somente aquelas que lhes convêm. O Corpo (Igreja), precisa crescer de forma uniforme.

v. 16 àDo qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor”.

O crescimento do Corpo (da Igreja) só ocorre “segundo a justa operação de cada parte”, auxiliado por todas as “juntas”. Ou seja, para que haja o correto crescimento do “corpo”, cada membro precisa estar “ligado”, estar coordenado por “suas juntas” (pelos irmãos próximos, por aqueles que são sua autoridade ou pelos seus cuidadores).

Em suma, o SENHOR JESUS está edificando a Sua Igreja – MT. 16:18 – na qual ELE É não só o fundamento (1 CO. 3:11), mas também é o autor (originador) e o consumador (que executa) da fé (HB. 12:2). E essa fé é uma fé não fingida, antes é pura e frutífera. Uma fé coerente com as Escrituras – JO. 7:38,39.

Todo o resto é apenas ilusão. São mentiras de satanás e deve ser deixado, ainda que tenham belos títulos, bela aparência, e por mais eloquentes que sejam os seus defensores.

Publicado em Deixe um comentário

NO QUE ACREDITAMOS

Leitura: 2 CO. 4:18; 5:7; JO. 20:29; 17:17; e referências.

nacruz

No texto de João, capítulo 20 e versículo 29, nós encontramos JESUS apresentando à Tomé as provas de Sua ressurreição. Tomé, à semelhança de muitos em nosso tempo, só acredita naquilo que podia “ver”.

Pessoas desse tipo, têm dificuldade em crêr, pois não conseguem assimilar o mundo invisível, são pessoas que vivem em função do mundo físico, só acreditam no que podem ver e sentir. Para tais pessoas, muito daquilo que está nas Escrituras é mera “teoria” ou “mito”. Não crêem que seja, de fato, algo real ou que possamos desfrutar hoje.

Não estou me referindo unicamente aos dons sobrenaturais do Espírito Santo, mas também em à muitas verdades da Palavra de DEUS.

O apêlo e atração que o mundo material exerce sobre nós, e a influência que a razão humana tem, é algo terrível, pois o mundo físico, embora governado pelo mundo espiritual, luta para governar os homens, dominando-os.

É preciso que entendamos, entretanto, que nem sempre o que vemos é verdadeiro ou real, e que o fato de não vermos algo não significa que não exista. A nossa percepção ou não de algo depende, e muito, de nossa capacidade e sensibilidade para isso. Por exemplo, as cores são reais, elas existem. O mundo à nossa volta está repleto de cores… Mas um cego não as percebe! A visõ de alguém está diretamente relacionado com o grau de sua visão; se seus olhos estiverem com algum problema, então sua visão estará comprometida. Também é assim com relação ao mundo espiritual.

Mas agora quero chamar sua atenção para a Palavra de DEUS! Gostaria, em relação à Bíblia, que refletisse em duas perguntas:
1. Eu considero a Bíblia Sagrada como sendo, de fato, o falar de DEUS?
2. Eu considero a Bíblia Sagrada como sendo a Verdade?

Vou considerar que você, assim como eu, tenha respondido “sim” à ambas as perguntas. E vou agora convidar você a ler alguns textos e a responder para si mesmo, pelo menos às  três seguintes perguntas em relação à cada uma das passagens:
1) Eu creio nessa passagem?
2) Eu experimento na minha vida o que essa passagem declara?
3) Por quê experimento (ou não) essa verdade?

Vamos, pois, às passagens das Escrituras:

  • Êxodo 15:26
  • Êxodo 23:25
  • Salmo 103:3
  • Isaías 53:3
  • 1 Pedro 2:24
  • João 12:26, 46
  • João 14:23
  • 1 João 3:1-8

Querido(a), cada uma dessas passagens confronta aquilo que dizemos crer, e o que, de fato, vivemos.

Apenas recapitulando…

Êxodo 15:26 afirma que se eu andar em total obediência a DEUS, não terei nenhuma das doenças que recaíram sobre o Egito, pois conhecerei a Jeová-Rafá (o SENHOR que Sara).

Êxodo 23:25 afirma que se eu servir a DEUS, ELE abençoará meu alimento e tirará de mim as enfermidades.

Salmo 103:3 afirma, também, que DEUS perdoa todas as minhas iniquidades e sara todas as minhas enfermidades.

Isaías 53:3 e 1 Pedro 2:24 afirmam que pelas feridas de CRISTO nós fomos (não “seremos”, mas já fomos) sarados.

Mas também o texto de João 14:23 afirma que se eu amo a JESUS, guardarei a Sua Palavra, e DEUS irá se manifestar a mim.

Querido(a), a despeito de nossa rotulação religiosa, se essas passagens não apresentam fatos reais em nossas vidas, ai de nós, pois estamos apenas teorizando a Bíblia, não a estamos vivendo!

Como reagimos diante dos sintomas de enfermidades que surgem em nosso meio, em nosso próprio corpo? Confessamos a Palavra – como fêz JESUS – ou simplesmente nos resignamos, aceitando como nossas as dores, e nos “enfiamos nos remédios (drogas químicas lícitas)”, sem buscar saber, diante de DEUS, o que ELE quer nos ensinar ou mostrar? Leia, por favor, o que está em Jó 33:14-30.

Por fim, ao que, de fato, estamos dando crédito? A DEUS e à Sua Palavra, ou ao diabo e seus sintomas?

Reflita: JESUS levou sobre Si todas as nossas dores e as nossas doenças – Isaías 53:4 – será que DEUS seria injusto, cobrando de nós uma dívida que já foi paga por JESUS – Colossenses 2:14?

Certamente que DEUS É JUSTO! ELE não é o responsável pelas enfermidades e dores que nos fazem sofrer… ELE as lançou sobre JESUS lá na cruz! Então, quem é que “traz até nós essas doenças”?

Creio que é chegada a hora de vencermos satanás por meio do Sangue do Cordeiro e por meio da Palavra do Testemunho – Apocalipse 12:11.

Vamos confessar a Palavra de DEUS, declará-la a Satanás e ele haverá de fugir, “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.”  (Tiago 4:7). Mas precisamos nos sujeitar a DEUS…

Publicado em Deixe um comentário

A ORAÇÃO QUE DEUS ATENDE (1a. Parte)

Leitura: JO. 9:31; PV. 15:29; AT. 10:1-4; 1 PE. 3:7; MT. 21:22; JO. 14:13; 15:7; TG. 4:2,3; 1 JO. 3:22; 5:14; MT. 18:18-20; MT. 6:6-15

O homem é religioso por natureza, e a oração ou prece faz parte da vida humana.
No mundo todo, milhares de pessoas separam uma parte de seu tempo para, em algum momento, se dirigirem à alguma entidade ou divindade, oferecendo0lhe algum tipo de oferenda ou fazendo algum tipo de prece, reza ou oração, seja em forma de agradecimento ou de petição.

Claro que cada oração ou prece está diretamente condicionada ao tipo de fé ou crença de cada pessoa, e segue os padrões que por ela foram aprendidos em seu grupo religioso, que lhe ensinou sobre “a quem” e “como” orar. Sendo assim, multiplicam-se os “tipos de petições” conforme as “entidades/Divindades”.

A oração sobre a qual pretendo tratar aqui, no entanto, está relacionada com um único grupo: aqueles que professam fé no Criador do Universo citado nas páginas da Bíblia Sagrada, a saber, os que se dizem “cristãos”.

Se você não crê na Bíblia, não crê que ela seja a Palavra de DEUS, então este artigo não lhe diz respeito, não é para você… Mas, se por outro lado, você crê nela, se de fato ela é, para você, a Palavra de DEUS, então aconselho você a que continue lendo, e que reflita em tudo que será aqui exposto.

Oramos a DEUS, o CRIADOR, atribuindo-Lhe títulos e nomes segundo nosso entendimento… Pedimos coisas, agradecemos…

Mas como saber se somos ouvidos, ou ainda, se seremos atendidos? Existem princípios para orar? O que acontece se não seguirmos, ao orar, os princípios da Palavra de DEUS?

Estas questões serão respondidas a partir de agora…

Princípios a serem seguidos ao orar

JESUS, ao ensinar Seus discípulos a orar (MT. 6:5-15; LC. 11:1-4) mostrou que há certos “princípios” que precisam ser seguidos e certos “requisitos”  para que DEUS “ouça” e “atenda” às orações “feitas a ELE”.
Obs.: Está implícito no texto, que as orações/preces feitas à outra pessoa, DEUS não atenderá.

Vejamos os princípios da oração que o SNEHOR JESUS ensinou:

  • A oração não deve ter como alvo a auto-promoção, ou o “ser visto pelas pessoas” – MT. 6:5;
  • A oração deve ser feita “ao Pai” e “não a qualquer oura pessoa” (santo, entidade, anjo, etc.). Subentende-se, aqui, que a oração está sendo feita por alguém que é filho(a) de DEUS. E no caso, ainda, de você pensar, como muitos, que “todos são filhos de DEUS”, basta examinar o que está escrito em João 1:12 para ver que “nem todos são filhos de DEUS”.
  • A oração não deve ser “repetitiva”, e nem precisa ser “muito longa” – MT. 6:7,8;
  • A oração deve ser direcionada unicamente a DEUS Pai “que está nos céus”. Portanto, não pode ser feita a qualquer “imagem” na Terra – MT. 6:9 com ÊX. 20:4,5;
  • A oração deve buscar a “santificação do Nome de DEUS” – MT. 6:9. Claro que o Nome de DEUS já é santo em si mesmo. Como, então, pode alguém “santificar o Nome de DEUS”? A Bíblia afirma: “… qualquer que professar o Nome de CRISTO, aparte-se da iniquidade”. Em outras palavras, se afirmo que sou “cristão” (pequeno Cristo), então devo me separar para DEUS, fugindo de todo tipo de prática do pecado.
  • A oração deve estar imbuída do desejo de que o Governo de DEUS (Seu Reino) seja estabelecido na Terra. Isso significa que um dos alvos da oração é ser governado por DEUSMT. 6:10;
  • A oração deve ter por meta “conhecer a vontade de DEUS” e buscar direção e forças para realizá-la – MT. 6:10b;
  • A oração deve ser algo diário, e “depois” de buscar o Reino de DEUS e a Sua vontade, é que se vai pedir pelo “pão de cada dia”, o que infere que é algo a ser feito logo pela manhã cedo – MT. 6:11;
  • A oração deve proceder de um coração “sem ressentimentos”, e “sem mágoa”, por alguém que tem o perdão como prática contínua em seu viver diário, que perdoa seus “devedores” – MT. 6:12;
  • A oração precisa ser um canal para “fugir” da tentação, dos nossos desejos impuros, instigados por Satanás e por nosso coração – MT. 6:13; TG. 1:13-15;
  • A oração – para ser atendida – deve estar centralizada na vontade de DEUS (1 JO. 5:14; 3:22);
  • A oração que busca seus próprios interesses, não será atendidaTG. 4:3;

Vale ressaltar que esses princípios são válidos apenaspara os que oram ao Criador (DEUS), há quem não siga estes princípios, e até receba respostas aos seus pedidos, podém tais respostas não vêm de DEUS.

E antes que pergunte “quem, além de DEUS, é capaz de atender nossos pedidos”?, recomendo que leia 1 CO. 10:19,20 junto com 2 CO. 11:14-15 e ainda 2 TS. 2:9-11 e AP. 16:13,14.

Em suma, os demônios têm prazer em enganar o homem, afastando-o da Verdade. 1 Coríndios 10:19,20 afirma que qualquer coisa oferecida às imagens (ou ídolos) é oferecida aos demônios e não a DEUS. Essa afirmação é forte demais!

Temos que fugir de qualquer tipo de idolatria – 1 CO. 10:14; ÊX. 20:4,5 – principalmente do uso de qualquer tipo de imagem em nossas preces, pois andamos “por fé e não por vista” – GL. 4:18; 5:7.

Enfim, que a partir de agora, possamos seguir estes princípios quando formos fazer nossas orações, e então veremos as respostas delas, vindas de DEUS.