Publicado em Deixe um comentário

Igreja ou Organização?

Leitura: MT. 16:18; 18:17 – AT. 2:1; 2:2; 1:13,14; 12:5,11,12; 11:24-26.

Interessante observarmos sentenças como: “reunidos no mesmo lugar”; “o Espírito Santo encheu toda a casa onde estavam assentados”.

Observamos, nos textos acima, que o lugar onde os cristãos estavam reunidos, quando receberam o enchimento do Espírito Santo, era uma moradia, uma casa. Não estavam “no templo” em Jerusalém, mas numa casa.

Observamos, também, que as pessoas que criam eram “batizadas” “imediatamente”, passando, então, a “estar junto”. Em Atos 12, vemos Pedro guardado na prisão e “a igreja fazendo oração por ele”. Logo após ser solto, Pedro não vai para um templo, mas “para a casa de Maria, onde muitos estavam reunidos e oravam”.

Enfim, ao procurarmos, no Novo Testamento, pela palavra “Igreja”, observamos que ela sempre esta associada à “pessoas”, e não “a um templo” ou “construção específica”. Antes, está relacionada com as pessoas que se identificam com CRISTOAT. 11:24-26.

Em parte alguma das Escrituras Sagradas a palavra igreja está relacionada a um templo religioso, como o fazem em nossos dias.

Na Bíblia, o termo Igreja está vinculado aos “discípulos de JESUS CRISTO” em determinada localidade – todos os que moram numa mesma cidade; e cada igreja era “independente”, isto é, não existia uma “igreja matriz” e “suas filiais”.

No início do cristianismo, na verdade, nem mesmo denominações existiam. Os seguidores de JESUS eram identificados com termos como:

  • discípulos – MT. 8:23; 10:1;
  • irmãos – AT. 11:1; RM. 1:13;
  • santos – RM. 1:7; 1 CO. 1:2;
  • cristãos – AT. 11:26

Quanto às igrejas, estas se identificavam com a cidade onde se encontravam os discípulos, como vemos nos textos a seguir:

  • AT. 2:47; 8:1,3;
  • 2 CO. 1:1
  • 1 TS. 1:1
  • AP. 1:4; 2:1,8,12,18; 3:1,7,14

Cada carta, no Novo Testamento, quando direcionada à uma “igreja”, era à igreja em determinada cidade. Em Apocalipse, temos as “sete igrejas da Ásia”, e em seguida, são citadas sete cidades da Ásia, com “uma igreja em cada cidade”.

No Novo Testamento, quando é mencionado “igrejas”, sempre está se referindo a uma região que abrange várias cidades, portanto, várias igrejas.

A ideia de formar “grupos” de cristãos, divididos por suas “lideranças”, é reprovada na Bíblia – 1 CO. 3:1-7; 12:12-27. Entretanto, embora reprovada, a divisão foi profetizada nas Escrituras como sendo um sinal do fim dos tempos, uma marca da apostasia.

É bom atentarmos e refletirmos no que a Bíblia nos fala a esse respeito:

2 JO. 9-11; 1 JO. 2:19; 2 PE. 2:1-15; 2 TM. 4:3,4; 1 TM. 4:1-3; CL. 2:8 e referências.

Certamente se refletirmos em oração diante do SENHOR sobre cada um desses textos, e sobre esse conjunto, não teremos dúvidas em qual atitude tomar em nossos dias.

Publicado em Deixe um comentário

O Reino e a Justiça de DEUS

Leitura: MT. 6:33


Muito se tem pregado sobre o Reino de DEUS, porém muito pouco se tem falado sobre Sua justiça, como se o Reino de DEUS estivesse dissociado de Sua justiça.
Quando, porém, examinamos a Palavra de DEUS, percebemos que o Reino e a Justiça de DEUS estão juntos, e que a Sua justiça é a manifestação do Seu Reino. Em outras palavras, o governo de DEUS sobre alguém torna-se visível quando esse alguém age expressando a justiça Divina, mesmo que essa justiça seja contrária à justiça dos homens, ou à lógica da sociedade humana.

A seguir, exporei situações que ocorrem cotidianamente, e a forma como a sociedade tenta “resolver” e o que a justiça de DEUS determina…

Analisemos, pois, à luz da Palavra de DEUS:

Os Direitos…
A sociedade não tem mais um referencial para fundamentar seus direitos e deveres, e começou a criar leis segundo o que julgam ser o correto, e por desconhecer o que diz a Palavra de DEUS, agem contrariamente a ela. Se não, vejamos…

O E.C.A. à Luz da Palavra de DEUS

       O “Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)” prioriza o “menor” (pessoas abaixo de 18 anos) ao ponto de ir contra o que DEUS ordena em relação à criação e educação dos filhos.
       É interessante perceber que o artigo 3º da Lei 8.069 de 13/09/1990 (ECA) estabelece que um dos objetivos desta lei é assegurar ao menor o seu “desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social em condições de liberdade e dignidade”.
       Será que acreditam mesmo ser possível um desenvolvimento moral e espiritual sem obedecer aos princípios da Palavra de DEUS? Todos os princípios morais que conduzem ao respeito e à submissão às autoridades e o respeito mútuo têm origem na Bíbllia Sagrada.
       Pois bem, daí nos artigos 13, 18-A e 18-B a referida lei proíbe aos pais “qualquer tipo de castigo físico”. Desde quando qualquer órgão ou governo humano podem invalidar o que DEUS ordena em Sua Palavra?

       O pai é o representante do próprio DEUS no lar, sendo ali o rei e sacerdote responsável por expressar o amor e a justiça de DEUS. Ora, o Salmo 89:32 fala que DEUS recompensa a desobediência com vara, e a insistência no pecado com açoites.
       Por isso, devemos conhecer o que a Palavra de DEUS nos fala sobre a questão do castigo físico no que diz respeito aos filhos… Textos como PV. 13:24; 22:15; 23:13,14; 26:3; 29:15 nos mostram, de modo inequívoco, junto com DT. 6:4-9, que somos (os pais, não o governo [Estado] ou a sociedade) os responsáveis pela educação de nossos filhos.
       Educar um filho vai exigir, algumas vezes – quando ele escolher desobedecer – que apliquemos o castígo físico, o açoite com uma vara. A vara a ser usada para açoitar o filho deve ser fina e flexível, porém resistente. Deve causar dor, e o objetivo é corrigir a conduta da criança, não apenas castigá-la.

       O abandono do princípio da justiça Di ina de recompensar o bem e punir o mal tem demonstrado ser nocivo à família e também à sociedade.
       Os pais têm sido impedidos de castigar seus filhos como DEUS ordena que o façam, e como resultado, os filhos não aprendem a sujeição e a obediência à autoridade, tornando-se rebeldes e indisciplinados.
       E as consequências estão aí, à nossa volta… Violência de filhos contra os pais, de alunos contra professores, de cidadãos contra as autoridades e contra seus governantes.
       Corruptos e ladrões assumem postos públicos porque não foram educados dentro dos padrões da Palavra de DEUS.

       Resumindo: Satanás subverteu a imagem da autoridade; esta, que deveria refletir a autoridade Divina. Além disso, Satanás instiga o povo à rebelião. Ele repete, aqui na Terra, o que um dia fez lá no céu, quando levou após si uma terça parte dos anjos de DEUS (AP. 12:9). Hoje Satanás está enganando “todo o mundo”, afastando as pessoas da obediência à Verdade. O resultado é a corrupção e a injustiça!

       Portanto, busquemos a justiça de DEUS, começando por nós mesmos… E somente na obediência à Palavra de DEUS (Bíblia Sagrada), é que vamos encontrar Sua justiça – 2 TM. 3:16,17.

Publicado em 1 comentário

O Evangelho do Reino de DEUS ou a Religião do Homem… O que você segue? (Parte II)

Leitura: MC. 16:15,16; 1:15; MT. 4:23

Portanto, se de fato eu amo a DEUS e a JESUS CRISTO acima de tudo e de todos, eu guardo (obedeço) a Sua Palavra.

A “prova se amo oou não a JESUS está no valor que dou à Sua Palavra. Se realmente O amo, bou buscar conhecer mais e mais a Sua Vontade (RM. 12:1,2) buscando-a na Sua Palavra – JO. 5:39.

Se, entretanto, eu não me aplico a conhecer a Palavra de DEUS, isto prova que, de fato, eu não amo a DEUS, nem mesmo creio nELE ou na Sua Palavra. Posso ser religioso, falar muito sobre DEUS, sobre a Palavra de DEUS, etc. Mas se não busco conhecer a Sua Palavra acima de tudo, não amo a DEUS.
Qual é a nossa situação?

Estou disposto a obedecer a DEUS e a fazer a Sua vontade?

Muitos acham que estão obedecendo a DEUS quando, de fato, não só não O estão obedecendo, como O estão desobedecendo.

Isso porque preferem escolher, na Bíblia Sagrada, só os textos que lhes são convenientes, e que não contrariam seus próprios conceitos e sua preciosa religião. Por desconhecerem a Palavra de DEUS, as pessoas geralmente “escolhem” qual religião vão seguir, baseadas em regras como:

Tradição, Preferem continuar na religião que seus pais ou antepassados seguiram, ou escolhem uma religião que já tenha uma certa “tradição histórica”; assim temos os que são (por tradição) católicos, batistas, assembleianos, metodistas, presbiterianos, adventistas, menonitas, etc. Claro, há os que escolhem a religião pelo “bem-estar” que esta pode lhe oferecer em seus templos, ou então pelos “arranjos musicais” que são apresentados. Outros, ainda, por causa do tipo de “liturgia”.

Uma grande maioria acredita nesta afirmação de Gandhi…

Quão longe estão da verdade! Por isso acreditam que “não importa que religião estejam seguindo, todas levam para DEUS”. Ninguém consulta a DEUS para saber o que ELE fala a respeito disto!

Ninguém consulta a DEUS e nem examina a fundo a Sua Palavra, para ver se estão seguindo e sendo ensinados em toda a verdadeJoão 16:13 – ou se, apesar da “aparência” da sua religão, estão seguindo o “grande enganador”, Satanás – AP. 12:9.

Vou colocar aqui as caracteristicas dos seguidores de JESUS CRISTO, da Igreja que JESUS está edificando – MT. 16:18, juntamente com alguns textos bíblicos… Então eu convido você a examinar os textos a seguir (dentro de seus contextos), e a “provar” ou “examinar” à luz da Palavra de DEUS, e verificar se “sua religião” obedece e ensina você a obedecer a DEUS…

QUANTO À DOUTRINA

Leitura: MT. 28:19,20 – 6:19,33; LC. 16:9-13; MT. 6:24; AT. 20:27, 29-35

No primeiro texto, JESUS ordena aos Seus discípulos que “façam discípulos”. Manda que ensinem a guardar todas as coisas que ELE próprio ensinou e ordenou. Entre as coisas que JESUS praticou e também ensinou vemos o seguinte mandamento: “Não ajunteis tesouros na Terra…” (MT. 6:19). No mesmo contexto, JESUS “ordena” a buscarmos “em primeiro lugar” o “Reino de DEUS e a Sua justiça”. Ora, por “Reino de DEUS”, entenda-se “Governo de DEUS”. Assim, buscar o “governo de DEUS” nada mais é do que “deixar o “ESPÍRITO SANTO de DEUS conduzir todos os aspectos de nosso viver – RM. 8:14. Dessa forma estaremos nos assemelhando à JESUS.

JESUS afirma que “não é para ajuntarmos riquezas. Em 1 TM. 6:3-11 é dito que “o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males”, e que nessa cobiça pelo dinheiro, muitos se desviaram da fé.

A Bíblia ainda nos diz que somos “mordomos” dos bens a nós confiados, e não “donos”. Também nos diz que o objetivo dos bens deve ser levar pessoas a conhecer a graça de DEUS – LC. 16:9; 2 CO. 8:1-15; 9:1-12.

A prática entre os primeiros cristãos era tal que entre eles não havia nenhum necessitado, pois “repartiam o que tinham entre si” – AT. 4:32-35.

Os discípulos de JESUS não usavam seus recursos financeiros para “construir templos”, eles se reuniam em suas próprias casas. Eles sabiam que DEUS “não habita em templos feitos por mãos humanas” – AT. 7:48; 17:24. Os recursos que seriam gastos para construir e manter um templo religioso (como fazem hoje), eram empregados para suprir as necessidades que surgiam entre eles – AT. 2:44,45; 4:32-25; 20:20; 1 CO. 16:9; RM. 16:5

Você vive isto? Sua “religião” pratica isto?

Você é instruído a investir em vidas e não em “lugares sagrados” ou “templos”?

Ou será que sua religião ainda tenta se assemelhar ao judaísmo, cobrando dízimos e ofertas para conservar um sistema de templos e “sacerdotes” (profissionais da fé)?

Os seguidores de sua religião vivem como uma “grande família”, onde todos buscam suprir o que falta ao outro, ou apenas levam seus dízimos e ofertas a um lugar específico e depois é “cada um por si”, e “cada um faz o que quer com seu dinheiro”?

Todos vivem da mesma forma, ou os “líderes” se destacam por sua opulência, por acumular mais bens do que seus prosélitos (seguidores)?

JESUS deixou um sinal para identificar Seus discípulos: João 13:35 – o amor mútuo. Em 1 JO. 3:16-18 encontramos que temos que usar nossos “bens do mundo” para ajudar o irmão necessitado.

Praticamos isto?

Reflitamos sobre o que estamos praticando, para que não estejamos entre aqueles que são citados por JESUS em Mateus 7:21-23

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade”